Paroles dos skippers

Raphael Auffret-Equipe Voile Parkinson

Está tudo indo muito bem. Aqui começamos a caminhar ao longo da costa. Esperamos ir um pouco rápido com o vento que está se movendo para o leste. Aqui temos um vento quase normal e começamos a acelerar em comparação com esta noite! Demos um peqeno gás porque mal podemos esperar para chegar!

Desde Cabo Verde, estamos juntos com o Terre Exotique. Os Doldrums foram super longos, mas não vamos deixar de tentar ficar à frente. Seria necessário perguntar a Sylvie (Viant, o diretor de corrida), mas um Doldrums de quase 400 milhas não sei se isso foi visto em muitas edições. Estamos realmente felizes por estarmos fora!

Temos o que precisamos, numeramos garrafas de água todos os dias, para serem duas garrafas por dia, se realmente sentirmos sede, tomamos 3. Mas não chegaremos desidratados ou famintos ao Brasil. 

O mar se acalmou um pouco, temos entre 12 e 15 nós a 120 °. Um vento leste, sul / leste, com um mar azul e um céu azul! Aqui esperamos que o vento esteja conosco para podermos acelerar ainda mais.

Morgan Ursault-Poupon- Up Sailing-Unis pour la planète (Class40)

Eram nove horas da manhã, eu estava dormindo lá dentro e Remi estava olhando o relógio, ele tinha acabado de entrar para pegar um arquivo meteorológico e atingimos o pequeno barco de pesca, ele estava na beira da água e não os vimos. Temos um grande buraco no arco. O pescador estava acompanhado por dois outros barcos, ele não está sozinho, continuamos, ainda estamos na regata.

As condições e o swell se acalmaram, há 15 nós de vento, estamos com o balão, perdemos de 3 a 4 nós em média após este choque. Está entre 7 e 8 nós, foi um bom freio, mas não há feridos, nada sério.

Eu estava no pufe, tem algumas coisas que voaram, o choque foi violento. As condições serão relativamente calmas até Salvador,  é muito frustrante, mas nada dramático.

Florian Gueguen-Equipe Voile Parkinson (Class40)

Está muito melhor desde que saímos dos Doldrums, avançamos para médias mais corretas, e andamos mais rápido ... Tivemos que sair ontem no final da manhã. Estamos nos ventos alísios do sudeste, temos um vento de 9 a 10 nós, de vez em quando temos um pequeno grão que passa por nós, é bem legal, Estamos a caminho de Recife, temos um vento fraco de 12 a 13 nós.

Devemos manter uma média de 10 nós, não assumimos uma posição no momento. Passamos o equador hoje à noite às 23:55, passamos a noite na véspera com foie gras, abrimos uma garrafa de champanhe, tudo ficou molhado: o barco, o mar e os homens. Foi um bom momento, é emocionante depois de 3 dias ter chegado no macio, está a apenas 900 milhas do fim, e agira vai ser mais rápido.

Clément Commagnac - Rennes Saint Malo (Class40)

Está quente, estamos nos aproximando. Aqui estamos sob a meia vela porque sentimos falta da grande, há entre 10 e 15 nós, o mar é calmo, ele se move lentamente. Devemos chegar amanhã de manhã um pouco antes do amanhecer. Pensamos na chegada, há muitas coisas que perdemos nesses 20 dias! Estamos com pressa de encontrar pessoas, tomar uma bebida, comer uma boa refeição ...

Chegaremos felizes em Salvador da Bahia. Há muito tráfego e muitas plataformas de petróleo, acabamos de atravessar uma. Esta é a minha primeira vez em Salvador, a surpresa será total!

Alexandre Hamlyn – Chocolat Pariès – Coriolis Composite (Class40)

É muito bom aqui, tivemos um bom dia ontem sem manobras, estávamos vendo para tentar refazer. Aqui estamos sob uma vela giratória com um ângulo ideal para uma chegada dentro de 24h. Ainda estamos na regata, é uma situação bastante confortável para este final de competição. Para nos aproximar dos os irmãos Courbon, precisaríamos de mais um nó. Estamos no leme no máximo, mas não há opção revolucionária, apenas navegando as mudanças de acordo com o que temos. Há muito tráfego de comerciantes que se intensifica cada vez mais.

As noites são mágicas, muito escuras no começo, depois a lua nascente torna o mar bonito, o nascer do sol também tem luzes suntuosas, é totalmente diferente do Canal! 

Florian Gueguen - Equipe Voile Parkinson (Class40)

Estamos nos Doldrums, temos condições! Temos condições muito pequenas, estava bom até meia-noite, então nuvens pesadas chegaram e nos encontramos a 0 nós, com uma falha no mecanismo para gerenciar ... Atualmente, existe um fluxo muito pequeno do leste que nos permite avançar lentamente. Este é o nosso terceiro dia de Doldrums, está começando a demorar! Mas nós vamos chegar lá. É a priemira vez que passamos por aqui  ... O grupo de 3-4 barcos que estavam à nossa frente passou no momento certo e fechou em nós ... Estávamos preparados para essa eventualidade, é difícil de gerenciar, não ficamos chateadso. Nós revezamos  para descansar e permanecer zen! Hoje de manhã, quando acordamos, tínhamos 0 nós ... A entrada para este Doldrums, foi uma tempestade à direita, uma tempestade à esquerda, atrás, na frente, tudo por 6 horas, depois umvento macio e depois mais vento! Aqui está tão plano que você não acreditaria em si mesmo no meio do Atlântico. Não pensamos no término mas desde a chegada do Crédit Mutuel, pensamos nisso! Em nossos roteiros, é possível, mas como ainda estamos nos Doldrums, veremos ... De uma busca para alcançar os outros, tornou-se uma regata contra o tempo!

Georges Guiguen - Terre Exotique (Class40)

Estamos na entrada dos Doldrums, ainda não paramos, está tudo bem. O teto estava baixo ao amanhecer, mas lá estava claro com um pequeno vento sudoeste. Nada de ruim nos Doldrums, assim como na Bretanha! De acordo com os mapas meteorológicos, foi fechado a leste do 24º grau de longitude. Nosso barco não é tão rápido quanto os outros,da Class40! Será minha primeira vez no Equador o e temos tudo o que precisamos para as festividades da passagem! Para o fechamento da linha, estará quente de qualquer maneira.

Pierre Louis Attwell Vogue avec un Crohn

É melhor para nós agora já que fazemos menos rolamentos porque não temos mais balão. Estamos brugando bem! Neste momento, há uma extensão infinita de céu azul, e nuvens. Ontem encontramos um veleiro. Não encontramos muita gente pela água, são mais os peixes voadores e pássaros que nos acompanham. Acho que são pássaros que não temos na França, são lindos!

Durante a noite, tentamos ter um ritmo de 1h para permanecer atentos , o vento é bastante irregular, às vezes não combina bem com o piloto automático, por isso devemos parar quando o ângulo é apertado Descansamos bem,  não é ruim recarregar as baterias. Ficamos felizes quando pensamos nas pessoas antes da partida de Le Havre, essas histórias de segurança. É incrível estar aqui, estamos no jogo, não temos muitos problemas no barco. Estamos felizes em viver esta bela regata.

Emmanuel Le Roch, Edenred (Class40)

Saímos dos Doldrums no domingo, pensávamos que tínhamos mais condições de abertura ao vento, estamos de perto, brigamos um pouco porque estamos na direção do vento. Está claro que vai ser um bom final de regata, temos barcos com os quais estamos lutando, será jogado nas últimas horas, o vento estará vindo depois de Recife, todos estaremos em perigo.

Neste momento, temos 18-22 nós no oceano próximo, temos alguns grãos hoje à noite. Estamos com a vela. Está tudo molhado por dentro e muito quente! Estamos bem, nos divertimos, fazemos o trabalho corretamente, estamos em forma, descansamos, tentamos manter o frescor para o final, porque será intenso .

Frédéric Duchemin #Attitude Manche

Vivemos um dia entre o vento suave e a rajada de vento. Foi difícil, bateu muito forte! Nesta noite, o mar se acalmou, o vento partiu por uma dúzia de nós. O barco sofreu um pouco e nós também! Estamos super felizes, está bom agora, o céu está azul. O vento já está no sudeste, eu acho, estamos pensando em começar a sair deles, as nuvens são brancas, então acho que sentimos a saída em direção ao equador.

Isso é novo para nós, temos uma pequena garrafa de champanhe, celebraremos essa passagem, será o destaque do dia que está por vir. Fomos batizados nos Doldrums, descobrimos o tempo, trabalhamos nas fotos de satélite, mas ainda assim, é muito complicado lidar com a realidade. Quando você está preso em um ambiente é preciso entender o vento, nunca é fácil entender esse clima, era o nosso grande problema. Estamos pescoço a pescoço com Leclerc. Eles voltaram ao Doldrums um pouco mais cedo, mas agora estamos chegando mais perto. Existe a possibilidade de vencê-los até o final do percurso.

Ian Lipinski - Crédit Mutuel (Class40)

Estamos impacientes por chegar, porque o caminho é um pouco longo desde os Doldrums, isso não acontece muito, mas o lado bom é que o mar está mais divertido hoje! Está muito calor, o céu está cheio lindo, temos entre 13 e 15 nós de vento sudeste, estamos sob o balão e vela principal. Consideramos que somos bons, não há razão para que isso mude, mas ainda assistimos ao mapa a cada hora! Estamos a 30 milhas da costa para evitar o tráfego de carga, viemos para Fernando de Noronha.

Não há muito aqui, mas há mais vigilância, pode haver reversões de situação, por isso prestamos atenção. Nós conhecemos Gitana, foi engraçado quando vimos chegando um barco a 35 nós, dissemos que era um Ultimate !! Ontem Adrien fez pão  !! O roteiro nos leva a chegar muito cedo depois da manhã de amanhã, por volta das 04h05 TU, ou seja, cerca de uma hora da manhã no horário local na entrada da Baía de Todos-os-Santos!

Simon Koster - Banque du Léman (Class40)

Estou saindo da soneca! Hoje de manhã, estamos posicionados ao sul de Fernando de Noronha, temos cerca de quinze nós de vento. Há mais mar por uma hora, e vamos direto para o continente. Estamos brigando com Made in Midi e Crosscall Chamonix Mont-Blanc, que estão perto de nós, tentando pegar milhas. Tínhamos muita velocidade e muitas estratégias de investimento há alguns dias, mas com os Doldrums, tudo mudou.

Louis na Crosscall tem uma pequena vantagem sobre nós, que estamos perto, mas conseguimos manter o ritmo. Temos quase todas as velas em boas condições, exceto a pequena que custou caro, mas não precisamos dela. O barco está em boas condições, nada nos freia, pequenos intervalos, mas não impede que o barco seja rápido. Estamos felizes por ter chegado aqui sem muitos problemas. A desvantagem são os Doldrums, onde ficamos colados por mais tempo que os outros. Eles voltaram para o nosso lado de repente, é chato, mas ainda estamos na regata!

Mathieu Claveau - Prendre la Mer, Agir pour la Forêt (Class40)

Está tudo indo muito bem, estamos nos ventos alísios do sudeste com 15 a 17 nós de vento. Está molhado com um mar moderadamente formado, poderíamos colocar o balão, é melhor, limitaremos o dano. Os Doldrums foram breves, mas intensos, fomos rapidamente em 24 horas com apenas um grão grande e 35 nós de vento. Ficamos quase desapontados por não durar mais!

Não vemos o tempo passar, não podemos esperar para abrir, as condições mudam para colocar a vela e variam a navegação. Christophe está em plena capacidade de velejar. Não quebramos nada, é uma grande satisfação manter nossas velas intactas! Atualmente, estamos de bermuda e camiseta, suamos, o barco se inclina a 30 graus e avançamos para 9 nós. A noite estava linda com a lua cheia, sem grãos e um pôr do sol mítico! Esperamos chegar em 16-17 UT, mas na Baía de Todos-os-Santos, pode demorar!

Halvard Mabire - Campagne de France (IMOCA)

Deixamos os Doldrums, foi bastante monótono, não há muito para contar. Estamos muito longe para ver a ilha de Fernando de Noronha, que é absolutamente linda. Fizemos manobrasn e ficamos lado a lado com o Campagne de France!Velejamos em curso direto com um vento entre 16 e 20 nós. Sempre há um de nós que cuida de tudo o tempo todo, está tudo bem, além do computador de bordo que está nos causando problemas. É excelente e impressionante ver a Class40s se aproximando. Mantemos o Credit Mutuel sob controle, mas se ele abrir, ele terá recursos de planejamento enquanto continuaremos navegando ... Ao mesmo tempo, o desempenho muito bom do Credit Mutuel é impressionante, sem conclusões precipitadas! Esta é certamente uma experiência em regata emocionante !

Aymeric Chappellier – Aïna Enfance & Avenir (Class40)

Está tudo bem, estamos no vento do comércio bem estabelecido, um pouco apertado, mas está bom. Estamos quase desenfreados com 20 a 25 nós, em direção a Fernando. Continuamos avançando, resolvendo bem, continuamos focados, mesmo que estejam muito à frente. Atrás também estão longe, mas você nunca sabe, eles podem nos levar quilômetros com um ângulo ligeiramente aberto. Fomos pegos por um grão nos Doldrums, perdemos 45 milhas, a nuvem se fechou sobre nós, foi um pouco difícil no final.

Estamos 100% no barco, o vento não faz girar muito,  ficaremos em um ritmo bastante apertado, estamos molhados e salgados, mal podemos esperar para tomar um banho! ! Nosso ETA está programado para quinta-feira de manhã, mas muitas vezes a noite é complicada, é difícil precisar o moneo que chegaremos à Bahia.

Maxime Sorel - V and B Mayenne (IMOCA)

Estamos empolgados com Prysmian, é um barco com foil, o vencedor da última edição, por sinal, e por isso ataca muito forte! Ele é monitorado no AIS, e foi visto uma boa parte da noite, mas são cerca de 7 milhas distantes e não vemos mais. Vamos colocar velocidade até o fim, temos  mais dez horas antes de Salvador. Estamos na direção do vento, existem cerca de quinze nós e navegamos entre 17 e 19 nós. Esta noite, tivemos uma vantagem mágica, com mar plano e sob a lua quase cheia, foi intenso, estava indo muito rápido, mas havia muitos pescadores, então você teve que ficar acordado! Estamos sob a grande vela e mantemos a velocidade. Estudamos a estratégia e o clima, o vento, as probabilidades, polimos. 

Erwann de Kerros - Terre Exotique (Class40)

Está tudo indo bem, fomos levados para a África, achamos difícil encontrar vento, tentamos ir para o oeste. As condições são excelentes, o clima é muito agradável, os peixes voadores estão aqui e podemos fazer turnos. O modo de vento do motorista está parado, por isso estamos no comando, mas é divertido. Tivemos 15 nós de vento estabelecidos nessa noite, sem grãos.

Estávamos bem posicionados até agora, ficamos felizes. Tudo vai bem a bordo, temos água, comida e até pimenta da Bahia!

Tolga Ekrem Pamir – Vers Un Monde sans Sida (Class40)

Está tudo bem. Esta é o nosso segundo porblema. Às 48h, perdemos uma vela, tivemos que cortá-la para nos livrar do aparelhamento porque estávamos muito mal, mas ainda estamos no compromisso da regata, estamos vivos na competição, está tudo bem! Mas perdemos duas velas importantes

Acho que acabamos de sair dos Doldrums, vamos seguir a rota direta. 

Nesta noite, tínhamos vento em todas as direções, a noite foi longa, foi necessário garantir o ritmo físico. Também estou descubrindo este barco, toda manobra é realmente muito pesada e qualquer erro pode rapidamente acabar em desastre ...